3 de abril de 2012

O Nada e Eu


Pensamentos alienados
Insensibilidade sonora
Realidade fictícia
Palavras desentoadas
Memórias metafóricas
Imagens abstratas
Esquecimento consciente
Conversas mudas
Sorriso infeliz
Olhar conflitante
Lágrimas fingidas
Vida em morte
morte em vida
Passado presente
Medo possessivo
Problemas inacabados

O nada e eu.



Autora: Patrícia (Patthye)

24 comentários:

  1. Linda poesia ! Bem inspirada! abraços,chica

    ResponderExcluir
  2. Acabei de "ganhar" -1 de motivacao....

    HUAHUAHUA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parafraseando Miguel: Mas o que isso quer dizer na verdade?

      Excluir
  3. El nada, en ocasiones, es uno. Reflexiones y meditaciones que nos hacen ver lo sencillos que somos.
    En cualquier caso; sirven, también, para convertirno en parte de un todo y ser nosotros mismos, sin pretender nunca convertirse en el todo de la parte, que sería tremendamente egoista.
    Preciosa Poesía, Fabio, llena de reflexiones en soledad acerca de la existencia.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  4. E assim somos nós todos, mas 'glórias a Deus' por acontecer isso tudo em momentos alternados. Somos todos a imperfeição do ser, ao contrário do que muitos pensam: que fomos criados, para ser a imagem e semelhança...

    bj.
    Tais

    ResponderExcluir
  5. Muito bom, essa é nossa vida, parabéns.

    ResponderExcluir
  6. A vida é assim. Paradoxalmente, bela. Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Sou suspeito pra falar, mas achei essa poesia sensacional.

    Te amo.

    ResponderExcluir
  8. Olá!Boa noite!
    Belo ritmo e jogo "dual" de palavras!
    Gostei!
    Boa quarta!
    Abraços

    ResponderExcluir
  9. Oi Fábio,

    E somos compostos por sentimentos.
    Esses que descreveu, me vestem tão bem, que me cansam.
    Mas se fazem necessários para nascer o tudo.

    Belo!
    Adorei teu poema.

    Beijo meu

    ResponderExcluir
  10. IMAGINEI ELA E SUAS RESPOSTAS ..PROFUNDO

    http://simonebastos2007.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Deve ser incrível fazê-lo! Porquê? Não há nada a temer, apenas aquela adrenalina que todos, bem lá no fundo, adoramos! ahaha (ainda bem que assim está melhor, e agradeço por me ter avisado)

    ResponderExcluir
  12. Estamos no meio de tudo, porém não temos nada. Somos tudo, somos nada. O que vemos não é nosso, o que temos um dia deixará de ser nosso. A poesia mostra o que pensamos, o que somos, o que a vida representa para nós.
    Abraços,
    Moacir Rodrigues

    ResponderExcluir
  13. Linda poesia, faz pensar

    Um abraço

    ResponderExcluir
  14. Saudações cara Patrícia,

    Adorei suas palavras, acho que tudo o que vivemos na vida é exatamente assim!

    Abçs

    ResponderExcluir
  15. Muito boa a poesia existencialista...

    abraços

    ResponderExcluir
  16. Olá! estou aqui para agradecer á sua visita,e sua critica.
    Obrigada bjs.

    ResponderExcluir
  17. Muito bonita essa poesia. Parabéns à Patricia e a você, Fábio, pela divulgação desse talento.

    Um abraço e Feliz Páscoa!

    ResponderExcluir
  18. Parabéns pela escolha! Poesia linda! Uma Páscoa abençoada! Obrigada pelo carinho! Abraço carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Poema em reflexão com boa construção na analise do eu puro e simples.Parabens a voces e grato pela generosidade.
    Vou seguir.
    Um abraço FABIO.

    ResponderExcluir
  20. A mim pessoalmente, que tenho atração pela dualidade e tenho um espinho na carne e um punhal cravado no peito, esse poema é para ficar um bom tempo pensando nele.

    ResponderExcluir